< Back
AULA 5 - O HOMEM DE BEM

AULA 5 - O HOMEM DE BEM

Sabemos que nossa meta é nos tornarmos Espíritos puros. Fomos criados simples e ignorantes e deveremos percorrer a escala espírita, segundo a lei de progresso. Os atos de nossa vida determinam a nossa situação, o nosso grau evolutivo.

O conhecimento de si mesmo é o primeiro passo. Devemos interrogar nossa consciência sobre nossos atos. Devemos nos perguntar: violamos alguma das Leis de Deus? Cometemos algum mal? Fizemos todo bem que poderíamos ter feito? Deixamos escapar alguma ocasião de ser útil?

Alguém pode se queixar de você? Fez aos outros tudo aquilo que desejaria que fosse feito para você? Se aprouvesse a deus chamar-me neste momento, ao entrar no mundo dos Espíritos, onde nada é oculto, teria eu de temer o olhar de alguém?

Devemos depositar nossa fé em Deus, na sua bondade, na sua justiça e na sua sabedoria.

Devemos colocar os bens espirituais acima dos bens temporais. Aceitar as vicissitudes da vida sem revoltas, entendendo-as como provas necessárias para a evolução espiritual. A obedi6encia é o consentimento da razão e a resignação é o consentimento do coração. Ambas são forças ativas, porque levam o fardo das provas que a revolta insensata deixa cair. Faça o bem pelo bem e tome a defesa do fraco contra o forte, devemos retribuir o mal com o bem.

No Evangelho somos chamados a amar nossos inimigos, e de que forma podemos fazer isto?

Não lhes guardando ódio, rancor ou desejo de vingança, perdoando-lhes o mal que nos causem, experimentando júbilo, em vez de pesar, com o bem que lhes advenha, enfim, retribuindo-lhe sempre o mal com o bem, sem intenção de humilhá-los.

No Evangelho, Jesus nos diz: “sede perfeitos como vosso Pai celestial é perfeito.”

Não podemos levar isto ao pé da letra, pois não é possível para nós atingirmos a perfeição absoluta, devemos sim entender que Jesus nos apresentou um modelo a seguir. A essência da perfeição relativa que podemos atingir é a caridade no seu mais amplo sentido, pois ela implica a prática de todas outras virtudes.

Devemos perdoar e esquecer todas as ofensas, não alimentando o ódio, rancor ou desejo de vingança. Devemos ser indulgentes com as fraquezas alheias, para também sermos credores de indulgência. Não evidenciar defeitos alheios e procurar sempre o bem que possa atenuar o mal.

Devemos estudar nossas imperfeições e trabalhar incessantemente por combatê-las. Não nos envaidecer pela riqueza ou vantagens pessoais, sabedor de que são empréstimos. Se superior, devemos tratar os subalternos com bondade e benevolência, vendo-os como irmãos. Se subordinados, compreender nossos deveres e se empenhar de cumpri-los de bom grado.

Todos nossos vícios e defeitos têm origem no orgulho e egoísmo, que devemos combater sempre. Tudo que excita o sentimento da personalidade é contrário à verdadeira caridade. O espiritismo nos facilita compreender a verdadeira compreensão e prática da moral do Cristo. Para compreendê-la não é necessária uma inteligência fora do comum, o que é necessário é uma maturidade do senso moral, que independe da idade ou grau de instrução. Para aqueles que, o laço com a matéria é muito forte, não conseguem uma verdadeira compreensão.

Mesmo acreditando na existência de Espíritos e de uma espiritualidade, isto não é suficiente para modificar seu comportamento, se interessam mais pelo fenômeno do que a moral. Jesus deixou isto bem claro na parábola do semeador, que mostra perfeitamente as maneiras como podemos colocar em prática os ensinamentos do Evangelho, para muitos é uma semente que caiu nas pedras, e não produz frutos. Outros se apegam aos fenômenos e depois ficam indiferentes, não procuram se melhorar, poucos aproveitam e muitos produzem.

O verdadeiro homem de bem pratica a lei de justiça, amor e caridade, está sempre analisando sua conduta, analisando se fez pelos outros tudo o que queria que os outros fizessem por ele.
Perdeu alguma oportunidade de fazer o bem? Acredita em deus, na sua infinita bondade e Justiça. Coloca os bens espirituais acima dos bens materiais.

Compreende que todas as dificuldades da vida são provas ou expiações. Sua satisfação é fazer o bem e a caridade sempre. Pensa sempre primeiro nos outros, antes de si mesmo. Não faz distinção de raças ou crenças, vê todos como irmãos. Respeita as ideias contrárias.

Não tem desejos de vingança, ódio ou rancor, procura sempre perdoar e esquecer as ofensas.
Sabe que ainda tem muitos defeitos a corrigir e então, é indulgente com as fraquezas alheias.
Procura sempre analisar sua conduta, identificando imperfeições a corrigir. É sempre humilde com suas qualidades, não procura destacá-las, mas sim mostrar as qualidades dos outros.

Sabe usar com justiça os bens que lhe foram confiados. Sabe que a autoridade, bem como a fortuna é um bem recebido de deus, dos quais deverá prestar contas, deve sempre utilizá-las para o bem geral. Se for subordinado, compreende os deveres de sua posição.

O interessante é que, estas, não são todas as qualidades do homem de bem, mas sim o caminho que conduz a todas as outras...

BIBLIOGRAFIA
Kardec, Allan, Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. XVII.
Kardec, Allan, O Livro dos Espíritos

Devemos depositar nossa fé em Deus, na sua bondade, na sua justiça e na sua sabedoria.

logo.png